Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

The Big News…

Mais um dia de férias passado calmamente, sem sobressaltos.
Acordei um cadinho enervada e de mau-humor. Devia ser o meu sexto sentido a alertar-me para a big news que eu iria receber da parte da tarde…
Comecei o dia saindo de casa para ir tomar o meu pequeno almoço e beber um café (ou melhor, um descafé) revigorante e aromático. Não resisti… tive que mandar vir um… estava a olhar para mim… e quando olham assim para mim, não resisto!!! Claro que estou a falar do meu folhadinho de salsicha, que hoje estava especialmente saboroso. Pensei para mim mesma : ”tens de te deixar destas coisas…” Mas ainda não foi hoje.
 
Estava eu a saborear cada migalhinha do meu folhadinho quando, subitamente, toca o meu telemóvel. Era a minha mãe:
- Ainda estás no café?
- Sim – respondo eu com a boca cheia. Já sei que não se fala com a boca cheia, é falta de educação, mas tinha que responder à minha mãe.
- Então não saias daí. Vou aí ter com a vizinha S.
. Ok (chefa) - pensei eu.
 
Lá esperei por elas. A minha mãe parece um foguete a andar, ninguém a consegue acompanhar mas desta vez vinha de marcha lenta pois a minha vizinha anda devagarinho. Estávamos nós em amena cavaqueira quando alguém colou o nariz ao vidro da montra. Era o marido dela, que é muito boa pessoa mas um cadinho chatinho.
Não lhe dá descanso, quer saber tudo: os passos que ela dá, quem é que viu, do que é que falou, monopoliza as conversas e não ajuda em nada (de resto, esta característica é comum à maioria dos homens).
Ela estava pior que estragada pois a sua “liberdade” é feita destes escapes com a minha mãe.
Eu não quero falar mal dos homens mas os espécimes que me rodeiam são tão “imperfeitinhos”… depois tenho que dizer as verdades! :P
 
Da parte da tarde tive aquele telefonema muito esperado e nada ansiado – a marcação da cirurgia.
Já não é só uma expectativa mas sim uma realidade quase consumada. Mas não vou falar disso agora, a partir de 2ª feira os nervos entram em acção. Glup!
 
Finalmente, acabei a porcaria do preenchimento dos horários dos concurso de docentes. Grande seca. Fiz copy/paste. Afinal para que é que me vou estar a preocupar muito e a matar a cabeça para organizar tudo muito bem? Não vai dar em nada…
Soube que a P. - que tem uma carreira de 10 anos sendo sempre colocada em bons horários- não iria concorrer. Porquê, perguntam vocês. Não faço ideia. Sei que ela anda bastante perturbada da molécula mas assim TANTO?!?!? Fiat lux naquela cabecinha que está numa escuridão densa e impenetrável.
Quer dizer, sejamos honestos, os colegas do grupo disciplinar dela agradecem encarecidamente e regozijam-se de contentamento. É que as coisas estão do piorio e uma vaga livre é sempre bem vinda.
 
Foi-me tirado mais um peso dos ombros. A minha amiga S. ligou-me hoje. Ela tem andado tão tristinha que eu nem tenho coragem de lhe ligar pois sei que ela nem tem vontade de falar com ninguém. Então dia sim, dia não lá vou mandando SMS a que ela responde passados dias. E é este estado de desânimo que me preocupa. Mas infelizmente não posso ajudar muito pois estas coisas do coração levam o seu tempo a passar e somos nós que as temos de resolver connosco mesmos.
Fiquei a saber que continua na mesma mas não adiantou grandes pormenores. Amanhã vamos jantar juntas e levo um saca-rolhas para ver o que lhe consigo fazer desabafar.
 
Amanhã é DIA D… Vamos lá ver quem é que descobre o que é este dia. Quem descobrir recebe um doce!
 
See You!